Seguidores

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

SONETO DE NATAL


Um homem, — era aquela noite amiga,
Noite cristã, berço no Nazareno, —
Ao relembrar os dias de pequeno,
E a viva dança, e a lépida cantiga,
                                                        *

Quis transportar ao verso doce e ameno
As sensações da sua idade antiga,
Naquela mesma velha noite amiga,
Noite cristã, berço do Nazareno.

                           *


Escolheu o soneto... A folha branca
Pede-lhe a inspiração; mas, frouxa e manca,
A pena não acode ao gesto seu.
                                                      *

                                                                                  

E, em vão lutando contra o metro adverso,
Só lhe saiu este pequeno verso:
"Mudaria o Natal ou mudei eu?"

                                           *



                                                                                   MACHADO DE ASSIS 

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

CONVITE




A Academia de Cultura da Bahia, a F ederação das Academia s de Letras e Artes da Bahia (FALA, BAHIA), A Faculdade 2 de Julho, a Faculdade Hélio Rocha, o Instituto Geraldo Leite e a Academia Maçônica de Letras da Bahia, convidam à solenidade de posse que ocorrerá dia 17/12/2010 (sexta-feira) a partir das 16:00 hs na Capela do Colégio 2 de Julho – R. Leovigildo Filgueiras 81 (Garcia), estacionamento gratuito e com segurança, entrando na esquina em frente ao Colégio Antônio Vieira (R. Cônego Pereira Marinho) e procurar o portão azul que dá entrada ao pátio da F2J.



Eleitos à ACB: Alcides Lisboa (maestro que se apresentará com o Coral da EMBASA), Antônio Ricardo da S. Benevides, Eurípedes Barbosa Ribeiro, Evandro Falcão Vieira, Ivone Alves Sol, Josenice Góis de Almeida, Lucas Carneiro de Lima e Silva, Ludmyla Rodrigues da Silva, Políbio Hélio Lago, Kátia Cunha M. Moreira dos Santos, Kátia Borges.



Eleitos à Academia Internacional de Letras, Ciencias y Artes, sediada em Buenos Aires – Argentina: Geraldo Leite, José Alconso da S. Filho, Lucymar dos Santos Soares, Míriam de Sales Oliveira, Valdeck Almeida de Jesus. e Sandra Stábile.



Homenageados: Geraldo Leite, ex-magnífico reitor da UEFS, lançamento (na ocasião) do Prêmio Geraldo Leite de Vídeo (DVD) 2011, pela ACB, Aurélio Schommer (Câmara Bahiana do Livro), Anaci Bispo Paim, ex: magnífica reitora da UEFS, secretária de Educação da Bahia e de F. de Santana, atual presidente da Acad. de Educação de FS, Domingos Leonelli, ex-deputado federal (PSB) e secretário de Turismo do Est. da Bahia, deputado Álvaro Gomes (PC do B), autor do PL que isenta o consumidor da taxa extorsiva em telefones fixos, deputado federal Severiano Alves (PMDB), autor de PLs que beneficiam o professor e de Moção de Congratulações à ACB no Congresso Nacional, Elena Sahno, visitante russa, universitária e pesquisadora, Jair Tércio Cunha Costa, Grande 2º Vigilante da Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia, Ma. Da Conceição Santos Caldas e Mônica Cestari (Espaço Terapêutico Anastasis – Barra), Jackson Rubem – fundador Academia de Letras de Irecê – BA.



Educadores do Ano 2010: Josué da Silva Mello (Colégio e F2J) e Tecla Dias de Oliveira Melo (Faculdade e Colégio 2J).



Lançamento dos livros: 1. O Violeiro da Espiral, autor Carlos Pitta, músico, poeta e cantor. 2. Idílio do Cactus Empedernido, autor Lucas Carneiro de Lima e Silva (recipiendário). 3. Poemas Filosóficos, autor Evando Falcão Vieira (recipiendário), As Filhas do General, livro digital de Miriam de Sales Oliveira.



Exposição e Participação no Festival do Livro: Sangue de Irmãos, autor José Aras. A Bahia de Outrora, escritora Míriam Sales. Alegria de Viver, escritor Ricardo Benevides (recipiendário). Reminiscências, autor Geraldo Leite (Pres. da Fundação José Silveira e do Instituto que tem o seu nome). Maktub (e-book), autora Míriam Sales. Lampião na Bahia e o DVD Euclides da Cunha e a Bahia, ambos de Oleone Coelho, co-direção do filme com Carlos Pronzato. Euclides da Cunha e o Sertão de Canudos, autor José Dionísio Nóbrega (membro da co-irmã ALAS, Acad. de Letras e Artes do Salvador. Amores Dispersos e Outros Versos, escritor Eurípedes Barbosa (recipiendário). Livros do Catálogo do acadêmico Elvino Almir Tosta. A Yoga de Jesus (“Eis que o Reino de Deus está Dentro de Vós”), autoria do sábio hindu Paramahansa Yogananda, fundador em 1920 da Self – Realization Fellowship (www-yogananda-srf.org).



Menção Honrosa: Prof. de Física Marival Chaves, projeto EDUCA BAHIA. Profa. Lélia Oliveira – Pres. ALA/FS. Professores Gildásio Freitas e Marivaldo Paixão, respectivamente presidentes da ALARME e da ALALF. Prof. Luiz Barreto Vieira, Ciência da Espiritualidade, ex-diretor do Colégio Central da Bahia. Madalena Lima, poetisa, alegria da ACB, cantora. Conferência: “Meu Deus, Estamos Matando o Planeta! Ainda há tempo?!” A ser proferida pela Psicóloga, acadêmica, Profa. titular da UNEB, Eliane Quadros. Saudação aos Recipiendários e Homenageados: Dr. Dorival Ferreira da Silva (membro da ACB e da ALARME). Apresentação do Coral da EMBASA com temas natalinos, regência do Maestro e pianista Alcides Lisboa (recipiendário). Manifesto de apoio pela ACB e instituições promotora do evento ao Plano Nacional do Livro e Leitura do Governo Brasileiro (Min. da Cultura e de Educação – www.pnll.gov.br e www.prolivro.org.br, bem como divulgação e apoio ao Prêmio Ma. Tereza Pacheco, parceria da ACB com Inst. Geraldo Leite, Fund. José Silveira, Inst. Médico Legal Nina Rodrigues, UFBA, UCSAL, Escola Bahiana de Medicina, Acad. de Polícia Militar, ABM, CREMEB, Acad. Baiana de Educação, Acad. de Educação de FS e CLISA. Inf. sobre o Prêmio: www.fjs.org.br e ou centrodepesquisa@fjs.br.




Benjamin Batista de Macedo Filho

Pres. da Academia de Cultura da Bahia e da FALA, BAHIA


Josué Mello
Diretor do Colégio e da F2J


Hélio Rocha
Diretor da FHR Geraldo Leite
Pres. do Instituto Geraldo Leite

Antônio Francisco Costa
 Pres. Academia Maçônica de Letras da Bahia

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

NA OITAVA CASA DA VIDA

    






CONTO ORIENTAL


Dois amigos se encontram depois de longos anos no elegante Club Libanês,no Cairo.
-Quanto tempo?Que pretendes nesse elegante caravançará?Queres matar o tempo,jogando uma partida de xadrez?
Ora,quem resistiria a um convite desses,partido de um homem tão inteligente e amável.Mal sentamos á mesa de jogo no fundo da sala,onde estava o tabuleiro com as peças:torres,cavalos,bispos,damas,reis e peões,meu amigo me perguntou:
-Soube que estiveste hoje com o Ministro Bechara –Bey,nosso ex-colega em Eton;Foste bem recebido?
-Qual!Tratou-me com empáfia e descortesia tal,que me desestruturou.Apesar da minha causa ser justa,ele não quis me ouvir,nem sequer quis ver os documentos que levei.Sua prepotência era tanta,que tive ímpetos de agredi-lo.
-E ele tinha algum motivo para te tratar assim?
-Não!Eramos amigos;nos tuteavamos;várias vezes o ajudei nos seus estudos.Mas,agora,com prestigio político,me ignora e destrata...
-Acontece,amigo,que o ministro,com toda sua mediocridade já atingiu a oitava casa da vida;e,de um homem assim,tudo se pode esperar.
Fiquei perplexo!Oitava casa da vida!?Que quereria ele dizer com Isso?Então,ouvi a explicação.
Vês esse peão?È a mais fraca peça do jogo de xadrez.Nada vale diante das outras.Mas,no desenrolar do jogo,o insignificante peão vai avançando de casa em casa.Protegido pelo rei,amparado pela dama,auxiliado pelo bispo,vai o peãozinho galgando o tabuleiro,subindo sempre.Para salva-lo,outros peões são sacrificados.O rei leva xeques,a dama corre de um lado pró outro fugindo dos cavalos inimigos e,a custo,desviando-se do ataque das torres.Chega,enfim,o peão á oitava casa!De acordo ás regras do jogo,não pode permanecer peão;tem que se transformar em dama,torre,bispo ou cavalo.
Assim acontece com os peões no tabuleiro,assim acontece com os homens no grande tablado da vida.Aquele que é feliz,sobe,faz carreira,recebe o auxilio do rei,como o nosso peãozinho;as damas o protegem,a sombra prestigiosa do bispo o livra das armadilhas.E,assim,tomando peças,agredindo,enganando,pisando nos outros peões,lá vai nosso amigo,atingindo seus objetivos,ocupando cargos de prestigio e opulência.
Ei-lo,afinal chefe,diretor,ministro,general ou presidente.
Alcançou a oitava casa da vida.
Aquele que tem boa formação,converte-se numa verdadeira dama;trata os outros com lhaneza e cortesia,é humilde e prestativo.
Outros se transformam em torre;na aparência,arrota honradez,apregoa,moral,passa por probo e incorruptível;mas,na verdade é desleal,invejoso e,seu único objetivo é realizar um pequeno roque e tomar o lugar do rei.
Também,há o modesto peãozinho que vira bispo;corre em auxilio dos fracos,abranda o xeque-mate da adversidade que tanto maltrata os menos favorecidos.
Agora,vamos encontrar o peão que,na oitava casa da vida se transforma em cavalo.Privado da razão que nobilita as pessoas racionais,passa a distribuir coices a torto e  a direito.Vira estúpido e grosseiro.Conhecendo suas limitações e,sendo por natureza,um fraco,enche-se de empáfia,faz pose de superior,porque,lá no fundinho sabe que não passa de uma estúpida cavalgadura.Tire o manto de ouro e veludo de um burro e,ele vira o que é:apenas um burro!Bufa indelicadezas e selvageria diante dos humildes e rincha sabujices e servilismo diante dos superiores:Sancho metamorfoseado em Rocinante!
Se algum dia,meu amigo,a sorte te bafejar -pela glória do Profeta- evita te transformares em cavalo.Triste,risível e doloroso é o destino de quem se converte em besta,na oitava casa da Vida.
Fonte:
AS MIL E UMA NOITES;UMA DAS HISTORIAS QUE SHERAZADE CONTAVA PRO SEU SULTÃO,NAS LONGAS NOITES NOS HARÉNS DE Bagdá,antes da era Bush.
Bendito seja Allah,Clemente e Misericordioso.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

OS LIVROS E EU!

OS LIVROS E EU
Fui uma menininha muito solitária;não mudou nada,sou uma mulher muito solitária.Sabe aquela do Camões”...e ,solitário andar por entre gente”?Pois é!
Filha de uma Delegada escolar do interior,(algo como uma fiscal graduada do funcionamento das escolas públicas)e de um comerciante e fazendeiro,filha única,vali-me dos muitos livros que meus pais me davam para driblar a solidão.Foi um bem e foi um mal.Bem ,porque tinha um conhecimento muito acima dos meus companheiros da mesma idade ;mal porque  não nos entendíamos;eu achava um pouco tediosos todos aqueles adoráveis brinquedos infantis. Assim,crescendo entre adultos e interagindo com adultos vi passar a infância mergulhada num mar de livros.
Na escola,minha aparência magra e com  grandes óculos,não ajudava nem um pouco num país que cultua a beleza;além disso,era péssima em esportes ou ginástica.Como dizia  Jorge Amado ,nascemos com defeito de fabricação:não sabíamos assoviar,andar de bicicleta,nem nadar.A única coisa desenvolvida que eu tinha era o cérebro.
Ouvia,sem graça,mas,com estoicismo,os apupos dos colegas:enciclopédia ambulante,sabe -tudo,metida,desengraçada.Ouvia,magoada,mas,não enraivada.A filosofia me ajudava.
No meu sétimo aniversário meus pais me deram as obras completas,infantis,de Monteiro Lobato.Lambuzei-me de Narizinho,mergulhei no Reino das  Águas Claras,comi os quitutes de Tia Nastácia e bebi a sabedoria  de Dona Benta;sabedoria popular,feita de vivencias.Mas.me parecia mesmo era com a Emília;descrente,desbocada,verdadeira,sem papas na língua,deixei minha mãe embaraçada muitas vezes;continuo deixando pessoas embaraçadas até hoje.Até hoje continuo detestando a mentira e a hipocrisia.Com Lobato,meu pai espiritual,aprendi além da   história do mundo que sempre me interessou, um pouco de tudo,geografia,matemática,noções de química e física, e estava preparada para vôos mais altos.Apaixonei-me pela cultura helênica e pelos deuses gregos.Acho que foi ai que comecei a peitar Jeová,um deus cobrador e sem senso de humor.
Comecei a ler,emprestado,”o Tesouro da Juventude”.Bem,ali tinha também um pouco de tudo e eu devorava aqueles saberes  com um apaixonado sabor  de vitória;quanto mais aprendia,mais queria.Comprei a coleção completa ano passado,num sebo.
No meu aniversário sempre ganhei livros,dos tios,dos amigos.
Assim,veio Vítor Hugo,”O corcunda de Notre Dame,””O Noventa e Três”,”O Homem que ri”.
Veio também os Dumas,pai e filho,”Os Três Mosquiteiros”,ai!,a coragem de D’artagnan,que começou como um campônio canhestro e se transformou num herói de capa e espada, cuja lealdade ao rei,enchia-me de alegria,eu que sempre prezei a lealdade.Só ele  e seus companheiros Athos,Portos e Aramis,para desfazerem as intrigas de Milady e do nefasto cardeal, e defender a rainha.Aquela estória do roubo do diamante  e o desfecho dela  me excitava e fazia  perder o sono.
Depois veio Jack London,”Caninos Brancos”,as aventuras de Huckleberry Finn,os contos de Grimm,Pierrot e as fábulas de Esopo e La Fontaine.
As estórias nórdicas de Selma Lagerlöf,prêmio Nobel, porém,nunca mais lida ou comentada.
Dom Quixote entrou na minha vida como um chute no traseiro;me pôs em alerta,me fez pensar.
Para mim,que passo a minha vida a lutar contra moinhos de vento,ele foi meu tipo inesquecível;preparada desde cedo para apreciar e respeitar a sabedoria popular ,Sancho Pança era um prato cheio.
Depois veio “Tartarin de Tarascon”,”As aventuras de Gil Blás de Santillana”,que acabei de reler há pouco.
Conheci os portugueses,Júlio Diniz (A Morgadinha dos Canavias),Eça,(A cidade e as serras),Bernardin Ribeiro(Menina e moça).Ia crescendo,entrando na adolescência e o meu vício pela leitura,crescendo mais ainda.Jorge Amado e Érico Veríssimo conheci já na adolescência;Clarissa,do segundo e Cacau,Suor,do primeiro,abriram meus olhos para as questões sociais.Vieram ,depois,todos os outros:Mar Morto,Capitães de Areia,A Morte e a Morte de Quincas – Berro D´A’gua,Os pastores da Noite;com eles descobri que morava numa cidade mágica,de ladeiras estreitas cheirando a dendê e personagens verídicos,reais,de sonhos,como Vadinho que voltava do Além para uma noite de amor com sua amada.
Como Orfeu e Eurídice!
“O Tempo  e o Vento “trouxe-me o cheiro dos campos e o açular das ventanias dos pampas gaúchos;um dia,muitos anos atrás,estando lá, ainda ouvia a voz de D. Bibiana:”noite de ventos,noite de tempestades”.E o Capitão Rodrigo Cambará passou a ser o meu modelo de homem.
Machado de Assis foi uma grande descoberta .Memorial do Ayres,Memórias Póstumas de Brás Cubas,D.Casmurro – Capitu e Bentinho,como esquecê-los?-
Ai,veio Diadorim e veio Riobaldo e atrevi-me nos campos das Gerais;trazida pelas mãos do Guimarães Rosa,aprendi nova linguagem e um novo modo de entender pessoas,como ,mais tarde José Saramago,com seus textos sem pontuação e a linguagem histórica dos infelizes. Graciliano,com seu estilo de cipó caboclo chegou depois.
Antes de chegar lá,veio Oscar Wilde.O retrato de Dorian Gray,que livro!
Esqueci-me de Balzac – que coisa imperdoável! – cuja aquisição  da  Comédia Humana custou-me um ano e meio de meu salário de professora.As Ilusões perdidas,Eugênia Grandet,O Pai Goriot,;através deles conheci e abominei a ingratidão,o desamor filial,o interesse.Bianchon e o banqueiro Cesar Birotteau,Luciano de Rumbempré,-quantas vidas,quantas facetas do personagem humano,quantos estudos em vermelho;e,ai,me lembra Conan Doyle e o romance policial.Passei por Sherlock  Holmes,continuei com Dashiell Hammett,aprendi dedução de uma forma elementar,meu caro Watson,desmascarando bandidos com o detetive Sam Spider,atrás de um Falcão Maltês.
Todos me perguntavam:-Aonde está o gato?- e eu aprendia com eles a reconhecer os criminosos escondidos em suas capas de hipocrisia.Fundamental foi Aghata Christie;fui Miss Marple e fui o homenzinho que passava desapercebido,Hercule Poirot.
Veio Thomas Mann:Morte em Veneza,José e seus irmãos.
Vieram os contos de Tchecov –Tio Vânia – e na rabeira ,os russos;ah! os russos!Tolstoi,Dostoievski- Os irmãos Karamazov-.Que magistral estudo da natureza humana!
E os ingleses!Shakespeare, Dickens, Somerset Maughan, Jane Austen.Puxaram  os  americanos: John dos Passos, Truman Capote,Jack Kerouac,Hemingway,minha paixão secreta,Poe e o seu corvo a dizer “nunca mais”,Faulkner e o desbravar da alma americana sepultada debaixo de um monte de hipocrisia social.Scott Fitzgerald.Nunca mais seríamos os mesmos depois desta mistura,desta loucura.
E os poetas!Castro Alves,Victor Hugo,Torquato Tasso,tantos!Os sonetos de Camões,Os Lusíadas,João Cabral de Melo Neto,Drummond...
Daí,como uma conseqüência de tudo isso,já na faculdade,vieram os filósofos;estava preparada para Sócrates e Platão,Locke,Schopenhauer,e o maior de todos,o que realmente fundou os alicerces da minha vida adulta:Nietzsche;Assim Falou Zaratrusta e eu ouvi.Vade mecum?Vade Tecum!Obedeci.
Voltaire,Diderot,como esquecê-los?
Todos ajudaram a forjar minha  personalidade,a pensar com minha própria cabeça ,a não me importar com o que as pessoas pensam ou dizem,a esnobar o establishment.
Aceitem-me ou deixem-me!Meu grito de guerra.
Perdoai-me,tinha trinta anos. e acabara de descobrir Simone de Beauvoir e Jean Paul Sartre.
E assim,continuo as minhas descobertas.Casada com a Literatura em comunhão de bens e males aqui cheguei.Vim pela mão de muitos. Benditas companhias!